Roma Subterrânea: Uma cidade secreta no subsolo da Cidade Eterna

roma subterranea

Caminhar por Roma é passar por milênios de história. Isso é algo que sabemos. Mas você sabia que nos subterrâneos de Roma, bem debaixo dos nossos pés, há praticamente uma outra cidade?

Pois é. As atuais ruas de Roma estão entre 6 e 10 metros acima do nível das ruas da Roma Antiga. Mais de 20 séculos de construções e demolições, bem como o acúmulos de resíduos, elevaram o nível do solo da cidade. E de fato, ao olhar para os Fóruns Romanos do nível da rua, você logo poderá notar isso.

Enfim, cada vez que há uma escavação, seja para a construção de um túnel ou para consertar algo, se descobre um pedacinho dos subterrâneos de Roma. Alguns desses lugares acabaram por se tornar atrações turísticas, mas outros ainda não entram do roteiro de quem visita a cidade. Vamos, então, conhecer alguns deles?

8 lugares para visitar nos subterrâneos de Roma

  1. Subsolo do Palazzo Valentini
  2. Cripta dos Capuchinhos
  3. Basílica de São Clemente
  4. Subterrâneos da Basílica de San Nicola in Carcere
  5. Igreja de Santa Cecília
  6. Cripta Balbi
  7. Estádio de Domiciano
  8. Catacumbas de Roma

Subsolo do Palazzo Valentini

O Palazzo Valentini é um palácio a poucos passos do Altar da Pátria, na Praça Veneza. No seu subsolo há um tesouro incrível: os restos arqueológicos de algumas casas da Roma Antiga. Desde o dia da descoberta, uma equipe de historiadores, arqueólogos e arquitetos trabalhou arduamente para mapear, restaurar e preparar essas casas para a abertura ao público.

As descobertas são apresentadas ao público através de um museu multimídia. Com a ajuda de projeções a laser, é possível ter uma ideia de como realmente eram as casas e as termas, passear por suas salas e corredores.

No mesmo lugar se encontra um bunker usado na 2ª Guerra Mundial. No finalzinho dele também é possível ver  os mercados e da Coluna de Trajano.

Cripta dos Capuchinhos

Um lugar muito especial, mas também muito sinistro dos subterrâneos de Roma é a Cripta dos Capuchinhos. Ela fica embaixo da igreja de Santa Maria della Concezione dei Cappuccini.

A cripta foi construída entre 1626 e 1631 por ordem do Papa Urbano VIII, pois seu irmão Antonio Barberini era um frade capuchinho. Como cardeal, Barberini mandou exumar os restos mortais de milhares de capuchinhos no mosteiro da Via dei Lucchesi e colocou seus ossos nas paredes da cripta como obras de arte e símbolos. Posteriormente, os frades também começaram a manifestar o desejo de serem colocados lá após a morte. Sendo assim, hoje em dia a Cripta dos Capuchinhos abriga os restos mortais de cerca de 3600 frades.

Mas além de ossos, caveiras e até esqueletos completos, na cripta há também um museu. Lá você aprenderá mais sobre a história dos capuchinhos e das criptas. Além disso, na sacristia da igreja também se encontra uma obra de Caravaggio: o São Francisco de Assis em meditação.

Basílica de São Clemente

A Basílica de San Clemente, construída por volta de 1100, é uma das basílicas cristãs melhor preservadas de Roma. A igreja leva o nome do quarto papa, Clemente I, que também viveu neste local. É uma igreja relativamente pequena, mas muito impressionante, graças em parte à multiplicidade de cores e aos incríveis mosaicos.

Mas o que ela tem a ver com os subterrâneos de Roma? Bem, em meados do século XIX, um padre irlandês descobriu que ainda havia vários níveis diferentes abaixo da basílica. De fato, de um portal lateral hoje em dia podemos descer para a basílica do século IV. É impressionante como os afrescos, algumas colunas e partes de pisos de mosaico se mantiveram bem.

Um andar abaixo você encontrará resquícios de dois importantes períodos. Primeiramente, lá se encontram as ruínas da residência do Papa Clemente I. Acredita-se que a casa também foi usada por muito tempo como uma “igreja escondida” para os cristãos, na época em que não havia liberdade de religião em Roma. Nesse mesmo nível, há também um santuário mitraico. Mitra é o deus do sol persa que tem muitas semelhanças com Jesus. Este culto foi introduzido no século I d.C., como uma espécie de “adversário” ao cristianismo. No entanto, essa fé nunca conseguiu ganhar muitos adeptos em Roma.

Enfim, se você deseja conhecer detalhadamente a Basílica de São Clemente, reserve nosso tour Igrejas de Roma! Nele você conhecerá essas e outras maravilhas que fizeram a história da Roma cristã.

Subterrâneos da Basílica de San Nicola

Antes de mais nada, a Basílica de San Nicola in Carcere fica em um lugar que na Roma Antiga correspondia ao Fórum Holitório. Ou seja, era o mercado de vegetais, óleos e ervas.

Ali havia 4 templos, que foram destruídos no século I a.C. para permitir a construção do impressionante Teatro de Marcelo. Entretanto, 3 deles logo foram reconstruídos um pouco mais adiante), onde ainda hoje podemos admirar seus restos. Partes deles também acabaram sendo incorporados na Basílica de San Nicola in Carcere.

Enfim, nos subterrâneos na basílica hoje em dia é possível admirar o que resta dos edifícios antigos. Por exemplo, podemos ver os pódios dos três templos romanos, as duas ruelas estreitas que os separavam e algumas pequenas celas abobadadas. Acredita-se que elas eram casas de câmbio, e isso é uma hipótese muito provável tendo em conta os fins comerciais da área do Fórum Holitório.

Igreja de Santa Cecília

No bairro de Trastevere fica a igreja dedicada à Santa Cecília, uma mártire cristã que morreu em 230 d.C. Segundo algumas teorias, a igreja foi construída por cima da casa da santa.

A basílica repousa sobre um complexo de estruturas sobrepostas que vão desde a época republicana até o século IV. d.C. contando uma longa história entre o rio Tibre e o nascimento do cristianismo.

Da sacristia desce-se ao subsolo, onde salas, corredores e ambientes comerciais se sucedem em um labirinto de estruturas. Uma das salas mais fascinantes está equipada com oito tanques de tijolo, um curtume de couro, que logo nos dá a ideia da função comercial do lugar.

Além disso, é possível visitar a cripta onde se encontram os restos mortais de Santa Cecília, do marido e do irmã. Há também o chamado “Bagno“, ou seja, a parte das termas romanas onde fica o calidarium, cuja história da mártir diz que foi o lugar onde aconteceu a tentativa de sufocá-la com vapores ferventes.

A igreja de Santa Cecília é um dos lugares que visitamos no Tour de Trastevere e no Tour das Igrejas de Roma. Contate-nos para mais informações!

Cripta Balbi

subterrâneos de roma

A Cripta Balbi é uma parte do Museu Nacional Romano. Ele cobre um inteiro quarteirão, bem no meio de Roma. A cripta foi descoberta pelo arqueólogo Daniel Manacorda em 1981, enquanto escavava entre as igrejas de Santa Caterina dei Funari e San Stanislao dei Polacchi.

A cripta é assim chamada porque se ergue na área que abrigou um dos três teatros antigos de Roma: o teatro Balbo que Lucio Cornelio Balbo havia erguido a mando de Augusto no final do século I a.C.

Estádio de Domiciano

Às vezes, os indícios para chegar aos subterrâneos de Roma podem ser encontrados nos lugares mais inesperados. Por exemplo, na placa de rua da Piazza Navona. De fato, se você olhar de perto, verá escrito “Stadio di Domiziano“. É exatamente isso que você encontrará embaixo da Piazza Navona: o estádio da Roma antiga, que era pelo menos tão grande quanto o Coliseu em termos de capacidade e popularidade.

De fato, a atual Piazza Navona tem a mesma forma do antigo Estádio de Domiciano, também conhecido como Circo Agonalis.

O Estádio de Domiciano está cerca de 5 a 6 metros abaixo do nível da rua atual da praça. Na Via di Tor Sanguigna 3, você encontrará a entrada para o espaço subterrâneo. Embora apenas uma pequena parte do antigo estádio tenha sido escavada, você só terá uma boa ideia de como deve ter sido se visitar essas escavações. Portanto, reserve um tempo para isso durante sua visita a Roma!

Catacumbas de Roma

De antemão, catacumbas são ótimos lugares para se terem uma ideia dos subterrâneos de uma cidade. E em Roma existem mais de 40, embora apenas 5 delas são abertas ao público.

Catacumbas de Domitilla

Repleta de passagens que se desenvolvem por mais de 15km, as catacumbas de S. Domitilla, na via delle Sette Chiese, é um dos maiores cemitérios subterrâneos de Roma. Ela se origina de alguns cemitérios criados em terras pertencentes a Flavia Domitilla e doadas por ela a seus libertos. Flávia Domitilla era neta de Flávio Clemente, cônsul de 95 d.C., e parente da família imperial.

Catacumbas de Priscilla

Localizada na Via Salaria, essas catacumbas se espalham por dois andares. Provavelmente recebeu o nome de uma Priscila da família senatorial Acili, cujo nome ocorre em uma das inscrições do hipogeu dos Acili no 1º andar.

Enfim, as catacumbas de Priscilla têm afrescos importantes, incluindo as primeiras representações da Virgem Maria.

Catacumbas de San Callisto

As catacumbas de San Callisto são o lugar de sepultura de 16 papas e diversos mártires cristãos. Elas cobrem um um percurso de mais de 20km entre a Via Appia Antica e a Via Ardeatina. Segundo fontes, é o mais antigo cemitério oficial da comunidade cristã de Roma.

roma subterranea
Catacumbas de San Callisto

Catacumbas de São Sebastião

Sem dúvida, estas são as catacumbas mais interessantes para se visitar em Roma. Elas se desenvolvem por 12km debaixo do bairro de San Callisto, e reúnem belos exemplos de arte primitiva cristã.

Você pode visitar as Catacumbas de São Sebastião com o nosso tour Appia Antiga!

Catacumbas de Sant’Agnese

As Catacumbas de Sant’Agnese estão localizadas na Via Nomentana. O complexo é representado por catacumbas, desenvolvidas entre os séculos III e IV d.C., que se dividem em várias regiões dispostas em três pisos. Seu nome deriva da mártir Inês, sepultada ali entre meados do século III e início do século IV.

Outros lugares dos subterrâneos de Roma

Por fim, há ainda outros lugares dos subterrâneos de Roma que merecem uma visita. Entrentato, são locais que abrem apenas em ocasiões especiais, ou se encontram fechados. Dois deles são:

 

Deixe uma mensagem pra Edna Costa!

O seu endereço de e-mail não será publicado.

error: Content is protected !!